Os processos de coaching estão muito em alta no Brasil, despertando a curiosidade e aumentando consideravelmente o número de adeptos — principalmente no mundo corporativo, em que é usado para o desenvolvimento de novas habilidades e para o direcionamento da carreira.

Apesar disso, muitas pessoas ainda não sabem o que o trabalho de coaching realmente é — e que tipo de ganho ele pode gerar. Se você tem essas dúvidas, continue lendo este post para entender um pouco mais sobre o assunto e desvendar os principais mitos sobre o trabalho de coaching!

Mito 1: Coaching é aconselhamento

Por não saberem claramente como relacionar o coaching, muitos acham que ele é como uma terapia ou tutoria — práticas completamente diferentes. Na verdade, um bom profissional de coaching se distancia e recua um pouco na hora de opinar diretamente nas decisões do paciente, conduzindo a sessão para que ele mesmo possa encontrar seu caminho.

A ideia é provocar um momento de reflexão em que o próprio coachee (o paciente, no caso) encontra as respostas e faz suas escolhas. Portanto, justamente por não interferir diretamente, o coaching não tem nada a ver com aconselhamento.

Mito 2: Coaching é a última esperança para um profissional

Esse é outro mito muito comum: que o procedimento é usado para consertar comportamentos problemáticos e reabilitar o profissional. Trata-se de um grande engano, pois o processo tem o objetivo de desenvolver novas habilidades nos clientes, fazendo com que eles evoluam e potencializem as fortalezas que já têm.

Além disso, se a pessoa está infeliz e não mantém um bom relacionamento com a liderança, por exemplo, não é o coaching que vai mudar essa situação na empresa. O coaching pode até mudar a cabeça do paciente, fazendo com que ele sinta a necessidade de procurar uma nova oportunidade, mas isso não significa que o problema será resolvido no lugar em que ele está.

Nesses casos, os problemas precisam ser resolvidos com feedbacks, conversas e direcionamentos específicos, e com clareza das suas funções.

Mito 3: Coaching não precisa de um método estruturado

Muitas pessoas entendem o coaching como algo solto, sem metodologia, dependendo diretamente do profissional e variando bastante. E isso faz com que muitos líderes acreditem que podem assumir essa atribuição — mas não é bem assim.

Em cada caso, o profissional especializado vai aplicar uma metodologia diferente e estruturada para que possa ser efetiva. Para você ter uma noção melhor, os trabalhos podem ser diferentes, seguindo a linha do coaching executivo (realizado por um especialista contratado), funcional (que é parte do papel de qualquer líder), e informal (uma orientação profissional para a rotina habitual). Esses são apenas alguns exemplos para que você entenda que há métodos — que são diferentes dependendo de cada caso.

Mito 4: Bons profissionais não precisam passar por um processo de coaching

Assim como algumas pessoas acreditam que podem desempenhar a função de coach, outras acreditam que esse tipo de treinamento se destina apenas a profissionais ruins. Ledo engano! Um trabalho de coaching bem feito pode beneficiar qualquer pessoa, garantindo o reconhecimento dos seus talentos e investindo neles.

Mito 5: Coaching é um período de cobranças

Muitas pessoas pensam que sairão prontas e formadas depois desse processo. Mas, na realidade, o papel não é de cobrar resultados, e sim de estimular um processo contínuo de desenvolvimento — afinal, esse é um ponto importantíssimo para qualquer profissional. Ainda assim, é bom que você não se engane e pense que o coach não chamará a atenção ou alertará quem ele está desenvolvendo.

Mito 6: Coaching é um processo demorado

Tomando a terapia como referência, algumas pessoas acham que ficarão em um processo de coaching por tempo indeterminado, mas as práticas são bem diferentes. O coaching tem duração média de três meses, com um final bem definido.

É claro que a prática pode revelar a necessidade de tratar um determinado comportamento ou aprimorar alguma habilidade, mas, normalmente, ele não se estende por longos períodos.

Mito 7: Coaching é apenas uma modinha do momento

Embora tenha se popularizado recentemente, o trabalho de coaching já existe há 40 anos, e é bem consolidado. Mesmo com tanto tempo, apenas em 1990 o procedimento se difundiu — em grande parte, por meio das novas tecnologias.

Com a troca de informações, foi possível perceber que o ambiente corporativo mudou de forma acelerada, obrigando as pessoas a se adaptarem a uma nova realidade e a desenvolver habilidades e pré-requisitos específicos. Justamente por isso, o coaching foi reconhecido como uma boa metodologia e ganhou mais espaço.

Mito 8: Coaching pode ser uma vantagem em processo seletivo

Ter feito coaching não é uma atividade extracurricular ou uma competência para colocar no currículo. É claro que ele tem um papel direcionador muito importante, podendo somar e trazer muitos ganhos para as empresas, mas o diferencial para um recrutador é a demonstração das habilidades que você desenvolveu.

Ou seja, tudo depende de uma decisão do cliente. Portanto, invista nas competências que merecem ser desenvolvidas e identifique seus pontos fortes para que eles fiquem ainda mais nítidos e facilmente identificáveis em uma entrevista de empresa.

Mito 9: O processo funciona como uma avaliação de desempenho

Como trata das habilidades, algumas pessoas também relacionam o coaching a uma avaliação de desempenho. Na realidade, não há nada em comum entre os dois, pois o processo não tem nenhuma relação com os resultados que cada colaborador tem que entregar na empresa em que trabalha. Ou seja, no fundo, depende exclusivamente do próprio colaborador e da sua disposição em aplicar as técnicas que aprendeu e desenvolveu.

Mito 10: O coach é o verdadeiro responsável pelo processo

Para que o processo seja valioso e traga frutos, é bom que o coach e o coachee estejam verdadeiramente empenhados. Ambos devem trabalhar de forma sistemática e conjunta para que o processo aconteça.

E mais: o verdadeiro responsável pelo sucesso é o cliente, determinando até onde ele irá e se vai ou não aplicar tudo que aprendeu no seu dia a dia. Caso ele não queira, o processo pode ser ineficiente.

Conhecendo todos esses mitos, fica bem mais fácil entender o trabalho de coaching e os verdadeiros ganhos que ele pode oferecer, não é? Afinal de contas, a informação é a melhor maneira de combater os mitos e fazer com que as pessoas entendam como determinado processo funciona.

Gostou de saber um pouco mais sobre o trabalho de coaching? Então compartilhe este post nas suas redes sociais!